sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

ATIVIDADES REALIZADAS NO ESTÁGIO




IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

Razão social: Copebrás LTDA (Companhia Petroquímica Brasileira)

Fundada em 1955, a Copebrás é uma das maiores produtoras de fertilizantes do Brasil. Localizada no coração da região agrícola brasileira e também próxima ao Porto de Santos, a Copebrás fornece fertilizantes fosfatados e insumos para alimentação animal de alta qualidade, abastecendo a crescente agroindústria do país. Tem como seu principal acionista o Grupo Anglo American.
A Copebrás possui três operações no Brasil:
·                                 a mina e a unidade de beneficiamento, localizadas em Ouvidor, no estado de Goiás;
·                                 duas unidades de processamento, localizadas em Catalão, também no estado de Goiás, e em Cubatão, em São Paulo.

A Copebrás produz dois tipos de fertilizantes fosfatados:
Os fertilizantes de alta concentração da Copebrás são vendidos predominantemente nos estados de São Paulo e Goiás.:
·                                 Superfosfato Triplo Granulado (GTSP 00-46-00, obtido a partir da reação de superfosfato triplo com ácido fosfórico). FISPQ
·                                 Superfosfato Triplo (TSP 00-46-00, obtido a partir da reação de rocha fosfática e ácido fosfórico).
·                                 Monoamônio Fosfato (MAP, obtido a partir da reação de ácido fosfórico e amônia).

Os fertilizantes de baixa concentração da Copebrás são adequados para as necessidades do solo brasileiro, com adição de enxofre:

·                                 Superfosfato Simples Granulado (SSG 00-21-00, obtido a partir da reação de superfosfato simples e ácido fosfórico). FISPQ
·                                 Superfosfato Simples Amoniado Granulado (SGAM 03-17-00, obtido a partir da reação de superfosfato simples e amônia)

·                                 Superfosfato Simples Farelado (SSF 00-19-00, obtido a partir da reação de rocha fosfática e ácido sulfúrico). FISPQ
·                                 Superfosfato Triplo Amoniado Granulado (STGAM 09-40-00, obtido a partir da reação de superfosfato simples, ácido fosfórico e amônia)
A Copebrás possui operações no local ideal, bem no coração agrícola do Brasil, na região centro-oeste. Esta ótima localização, somada à superioridade da planta de Catalão, dá à empresa uma vantagem de fornecimento sem paralelo, com acesso fácil e eficiente aos clientes da região. Nessa região, a Copebrás vende tanto para misturadoras de fertilizantes como diretamente aos agricultores.


ANÁLISE SWOT


Pontos Fortes:
Produção - É o arquivo, pois é o coração da empresa;
Recursos Humanos – É um setor de muita responsabilidade, pois podemos dizer que mexe com o dinheiro dos clientes;
Marketing – O marketing utilizado é o “boca a boca”.
Financeira – Importante lembrar que a empresa consegue se equilibrar, pois as receitas (de certa forma) são controladas;

Pontos Fracos:
Produção – O salário é muito baixo, e o funcionário fica desmotivado para executar a tarefa com maior desempenho;
Recursos Humanos – Sendo uma empresa de pequeno porte, só tem uma funcionária no setor e acaba sendo sobrecarregada;
Marketing – Poderia ser anunciada para ter um maior número de clientes, assim a empresa poderia oferecer melhores salários como benefícios para os funcionários;
Financeira – Como é uma empresa familiar, fica prejudicada, pois confundem muitas coisas, as despesas particulares dos sócios são pagas pelo caixa da empresa.

Ameaças e Oportunidades
Oportunidades:
Há diversas empresas no mesmo ramo, mas o diferencial é o método que é elaborado o relatório de entradas e saídas das despesas dos condomínios;
É uma empresa que emprega pessoas que estão iniciando no mercado de trabalho mesmo sem experiência;

Ameaças:
Vimos muitas empresas no mesmo ramo, porém com situações financeiras equilibradas, pois não partem para o mesmo erro (empresa familiar); trata-se de um segmento que não se extingue, porém há necessidade de atualização constante.

OBSERVAÇÃO E APLICAÇÃO


Cada teoria das organizações dá mais ênfase a um aspecto específico da administração. Algumas priorizam os aspectos técnicos como tarefas, normas, estrutura organizacional, responsabilidade dos administradores e hierarquia e são denominados mecanicistas. Outras dão mais ênfase às pessoas que constituem a organização como motivação e comportamento e são chamadas comportamentais. Outras enfatizam as relações entre as partes da organização e a sua interação com o ambiente externo no qual está inserida. É o que se chama enfoque sistêmico.
            Teoria Clássica
            Caracteriza-se pela ênfase na estrutura organizacional, pela visão do homem econômico e pela busca da máxima eficiência. Relacionada às funções básicas de qualquer organização que são: funções técnicas, comerciais, financeiras, de segurança, contábeis e administrativas.
            Teoria da Administração Cientifica
            Caracteriza-se pela organização racional do trabalho com a tentativa de substituir métodos empíricos e rudimentares pelos métodos científicos em todos os ofícios. Os princípios da Administração Científica: Planejamento, Execução, Preparo e Controle. A preocupação inicial dessa teoria era eliminar desperdícios e perdas sofridas pelas indústrias e elevar os métodos de produtividade. Contudo possuía diversos defeitos como mecanicismo de sua abordagem (teoria da máquina),a superespecialização do operário,visão microscópica do homem,ausência de comprovação cientifica ,limitação do campo de aplicação e abordagem prescritiva e normativa e sistema fechado.

            
Teoria das Relações Humanas
            Caracteriza-se pela integração social como determinante da produção, ou seja, quanto maior sua integração social no grupo maior será sua vontade de produzir, comportamento do empregado é baseado no comportamento dos grupos e organizações informais, cada empregado não age isoladamente.  As necessidades psicológicas e sociais e a atenção para novas formas de recompensa e sanções não-materiais. O despertar para as relações humanas dentro das organizações. A ênfase nos aspectos emocionais e não-racionais do comportamento das pessoas.  A importância do conteúdo dos cargos e tarefas para as pessoas era realizada trocas de posição para evitar a monotonia, mesmo com a queda na produtividade aumentavam a moral do grupo.

            Teoria Estruturalista
O enfoque da teoria estruturalista é na estrutura e ambiente, assim, de acordo com Chiavenato (2003), essa teoria trouxe uma importante ruptura com relação às anteriores. Ela mostra a organização como sendo um sistema aberto que se relaciona com o ambiente e com outras organizações. A Teoria Estruturalista baseia-se no conceito de estrutura, que é um todo composto por partes que se inter-relacionam. Portanto, o todo é maior do que a simples soma das partes. O que significa que os sistemas organizacionais não é a mera justaposição das partes. De acordo com Chiavenato (2003), esta teoria caracteriza-se por sua múltipla abordagem, englobando em sua análise a organização formal e informal, recompensas materiais e sociais e entre outros, reconhecem os conflitos organizacionais, ditos como inevitáveis. Por fim, os estruturalistas fazem uma análise comparativa entre as organizações, propondo tipologias, como, a de Etzione (1980), na qual ele se baseia no conceito de obediência, e a de Blau e Scott (1970), que se baseia no conceito de beneficiário principal.

             Teoria dos Sistemas
Caracteriza-se pelo estudo de modo interdisciplinar, a organização abstrata de fenômenos, independente de sua formação e configuração presente. Investiga todos os princípios comuns a todas as entidades complexas, e modelos que podem ser utilizados para a sua descrição. O Sistema é um conjunto de partes integrantes e interdependentes que, conjuntamente, forma um todo unitário com determinado objetivo e efetuam determinada função. Sistema pode ser definido como um conjunto de elementos interdependentes que interagem com objetivos comuns formando um todo, e onde cada um dos elementos componentes comporta-se, por sua vez, como um sistema cujo resultado é maior do que o resultado que as unidades poderiam ter se funcionassem independentemente. Qualquer conjunto de partes unidas entre si pode ser considerado um sistema, desde que as relações entre as partes e o comportamento do todo sejam o foco de atenção.
Teoria da Contingência
Caracteriza-se que não há nada de absoluto nas organizações ou na teoria administrativa. Tudo é relativo. Tudo depende. A abordagem contingencial explica que existe uma relação funcional entre as condições do ambiente e as técnicas administrativas apropriadas para o alcance eficaz dos objetivos da organização. As variáveis ambientais são variáveis independentes, enquanto as técnicas administrativas são variáveis dependentes dentro de uma relação funcional. Na realidade, não existe uma causalidade direta entre essas variáveis independentes e dependentes, pois o ambiente não causa a ocorrência de técnicas administrativas. Em vez de relação de causa e efeito entre as variáveis do ambiente (independentes) e as variáveis administrativas (dependentes), existe uma relação funcional entre elas. Essa relação funcional, entre as variáveis independentes e dependentes não implica que haja uma relação de causa-e-efeito, pois a gestão é ativa e não passivamente dependente na prática da gestão contingencial. O reconhecimento, diagnóstico e adaptação à situação são certamente importantes, porém, eles não são suficientes. As relações funcionais entre as condições ambientais e as práticas administrativas devem ser constantemente identificadas e especificadas e pode levar a um alcance eficaz dos objetivos da organização.
Teoria Neoclássica da Administração

            A teoria neoclássica é a teoria clássica atualizada e redimensionada aos problemas administrativos atuais e ao tamanho das organizações de hoje. A teoria neoclássica é exatamente a teoria clássica colocada no figurino das empresas atuais, dentro de um ecletismo que aproveita a contribuição de todas as demais teorias administrativas.

Desenvolvimento Organizacional
            Caracterizam-se as mudanças que ocorrem dentro de uma organização. Segundo essa teoria aberta, democratica e participativa, as organizações devem se voltar mais as pessoas do que as técnicas e recursos para conseguir uma maior capacidade de realizar as mudanças necessarias ao desenvolvimento organizacional.


Teoria Comportamental da Administração
            A teoria comportamental (ou teoria behaviorista) da administraçãoo trouxe uma nova concepção e um novo enfoque dentro da teoria administrativa: a abordagem das ciências do comportamento (behavior sciences approach), o abandono das posições normativas e prescritivas das teorias anteriores ( teorias classica, das relações humanas e da burocracia) e a adoção de posições explicativas e descritivas. A abordagem comportamental, conhecida como behaviorista.Assim, sua enfase ainda se encontra no comportamento humano, porém, leva em consideração o contexto organizacional, de forma mais ampla, abrangendo a influência desse comportamento na organização como um todo e as perspectivas das pessoas diante das organizações.

A teoria da burocracia
O sociólogo alemão Max Weber estudava as organizações sob um enfoque sociológico, definindo uma forma de administração que denominou burocracia. Embora os estudos de Weber sejam genéricos e possa ser aplicada a empresas, sua abordagem é sociológica e mais facilmente aplicável às administrações públicas.
A burocracia enfatiza a formalização (obediência às normas, rotinas, regras e regulamentos), divisão do trabalho, hierarquia (obediência às ordens dos superiores e conferência de status às posições hierárquicas elevadas), impessoalidade e profissionalização e competência técnica dos funcionários.


A Prática da Teoria Organizacional  (analisar a aplicação prática da TO na empresa e justificar o porquê você acredita ser esse o modelo de gestão da empresa em análise). 
Na prática a teoria da burocracia se aplica detalhadamente, devido à obediência às normas e regulamentos. O modelo de gestão é focado na formalização e impessoalidade, devido ser uma unidade de saúde a rotina é caracterizada pela divisão do trabalho e consequentemente a competência técnica dos funcionários.
Quando se refere à burocracia, logo se imagina uma pilha de papel e demora no atendimento. E na prática não se caracteriza isso na teoria organizacional da burocracia. Está focada em atender a demanda com padrões estabelecidos e competência técnica em atender a necessidade da comunidade.



Fonte de Pesquisa:
CARAVANTES Geraldo R e Claudia B, KLOECKNER Mônica C. - Administração Teorias e Processos Geraldo.
HEILBORN Francisco Lacombe Gilberto. Administração Princípios e Tendências-Editora: Saraiva 2008.
CHIAVENATO Idalberto. Teoria Geral da Administração -2003.


SUGESTÃO DE MELHORIAS

Na minha visão a empresa é boa, mas tem algumas falhas como todas. Precisa melhorar muito em todos os aspectos as práticas, atendimento e diversas coisas que são relacionadas ao setor de Recursos Humanos. Entendo que esse é o setor onde você vai para tirar todas as suas dúvidas só que o atendimento é péssimo primeiro você chega nessa área as pessoas não vem te atender você tem que chamar pela pessoa e ainda por cima nos atendem com aquela cara feia segundo as coisas não são bem esclarecidas terceiro você não tem perspectiva de melhoria você entra em um determinado cargo na função de junior e fica desse jeito não tem um plano de carreira, isso desmotiva muito as pessoas.

Essa foi a minha opinião.

Atenciosamente

Wagner Lopes Paulo







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário